Image is not loaded

Opinião

Na ditadura fascista de Salazar e Caetano as comemorações do 31 de Janeiro foram sistematicamente reprimidas. Em 1970 foi tornado público pelo governo civil do Porto que “não seriam permitidas concentrações que pudessem prejudicar a vida normal nem o uso de cartazes ou dísticos”. E em 1973 a evocação no Porto também foi proibida.   Mas foi sempre comemorada. No Coliseu e na rua. Porque, como escreveu Basílio Teles “… enquanto no mundo houver um português que guarde na alma algum afecto à sua terra, será evocada a memória do 31 de Janeiro e dos homens distintos e humildes que nesse dia souberam dar aos seus compatriotas o exemplo do civismo e do desinteresse”. 

Voto Marisa Matias, mantenho-me na luta e sei que a partir do dia seguinte continuo a poder contar com ela e com todos e todas que como ela põem no centro os direitos laborais, o direito à saúde, um SNS público e universal, a educação pública, o pleno direito das e dos jovens à sua voz e influência e a um futuro com direitos, o combate às alterações climáticas, os feminismos, os direitos das pessoas LGBTQI+, as causas fundamentais contra a desigualdade (o estatuto da cuidadora e do cuidador, por exemplo) e contra o ódio (a luta pelos direitos das pessoas em situação de refugiadas, por exemplo) e acima de tudo a luta contra o medo.  

Para o combate inevitável - que não começa agora, já começou há um bom tempo - é das nossas convicções claras e presentes que precisamos.

                                          Ver mais

Destaques

O Bloco de Esquerda fez aprovar a sua proposta de criação de um programa municipal de apoio às e aos cuidadores informais, com o voto favorável de todas as forças políticas da Assembleia Municipal do Porto, excepto da bancada 'Rui Moreira, Porto Nosso Partido', que votou contra.

Notícias

O Grupo Municipal do Bloco de Esquerda apresentou, ontem, na Assembleia Municipal do Porto dedicada à Habitação, uma Recomendação e uma Moção num total de 10 propostas, pela urgência da garantia de condições para a salvaguarda do direito à habitação e pela emergência de uma resposta do Governo de combate à crise da habitação. Os resultados das votações falam por si.

Concelhia

O partido quer que o Governo e município do Porto expliquem de quem partiu a decisão de retirar uma cláusula do contrato de compra e venda dos terrenos onde o Corte Inglés quer construir. Essa cláusula permitiria reverter o negócio sem indemnização em caso de chumbo do projeto pela Câmara.

Vídeos