Destaque

Biblioteca Municipal Almeida Garrett

A proposta "pelo uso público, aberto e alargado das bibliotecas municipais" do Porto, apresentada pelo grupo municipal do Bloco de Esquerda, foi aprovada na Assembleia Municipal. Apenas os eleitos pelas listas de Rui Moreira votaram contra a proposta. A ser implementada pelo executivo, esta medida pode resultar na abertura da Biblioteca Municipal Almeida Garrett (Jardins do Palácio) e da Biblioteca Municipal do Porto (Jardim de São Lázaro) aos domingos, com o alargamento do horário entre as 9h e as 20h. 

Notícias

Assembleia Municipal

O grupo municipal do Porto apresentará esta quarta-feira, na reunião da Assembleia Municipal, uma recomendação para a criação de um “Dia Mensal Sem Carros”, com o encerramento ao trânsito automóvel de algumas ruas em cada uma das freguesias da cidade, um domingo por mês, à semelhança de várias outras cidades um pouco por todo o mundo.

Porto

Um relatório da agência Moody’s coloca Lisboa no topo das capitais europeias com maior fatia da habitação destinada a arrendar a turistas. No Porto, esse rácio é ainda superior, mas Rui Moreira recusa travar novos registos.

Porto

Assembleia Municipal do Porto aprovou esta segunda-feira a moção do Bloco de Esquerda que defendia a criação das Regiões Administrativas previstas na Constituição.

habitação

Bloco defende reforço do investimento municipal para combater a crise na habitação no Porto.

Vídeos

Bloco defende reforço do investimento municipal para combater a crise na habitação no Porto.

Opinião

“A Europa será social ou não existirá”

“Se a definição do Estado era a possibilidade de cobrar impostos, isso hoje já não é assim. Há offshore, paraísos fiscais. E se (o Estado) está limitado na sua capacidade fiscal também não pode redistribuir. E é esta a pressão. O que é um Estado? O que é que pode fazer? E até que ponto está dependente dos mercados financeiros devido à sua dependência do serviço da dívida.”
(Ulrike Guerot, alemã directora do European Democracy Lab)

É conhecida a frase dita por Mota Amaral, então presidente da Assembleia da República, durante um debater parlamentar. Mota Amaral ao comentar o artigo 69 da lei da Segurança Social referiu que se tratava de “um curioso número”. Corria o ano de 2002.